sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Entrevista exclusiva com roteirista/produtor de Hollywood, Brian Bird

Há um tempo tive a ideia de fazer uma série de entrevistas com bem-sucedidos atores, diretores, produtores, roteiristas, editores e afins da indústria de filme cristã dos EUA. O objetivo é mostrar que são pessoas como nós [com ideais e sonhos que – a princípio – pareciam muito longe de ser alcançados], porém eles não desistiram e hoje são o que são! Os grandes filmes cristãos e muitas daquelas super-produções nas quais nos espelhamos, foram produzidas por eles, que irão bater um papo conosco aqui no CineCristão. Pessoas incrivelmente talentosas, humildes, acessíveis e que, acima de tudo, conhecem o poder da colaboração.
A primeira entrevista foi com Christopher Shawn Shaw e, se você perdeu, pode conferir aqui.
Hoje a conversa é com Brian Bird (perfil no IMDB). Brian é roteirista e produtor, parceiro e co-fundador da Believe Pictures juntamente com o aclamado diretor Michael Landon Jr, e especialista em conteúdo/mídia/filme cristão.
Entre as produções de Brian, entre filmes e seriados de TV, estão: O Segredo (que foi divulgado aqui no CineCristao, veja aqui), Jamaa, Salvando Sarah Cain, The Family Man, Touched by an Angel e muitos outros.
Para 2013 ele já tem a agenda recheada de produções, destacando-se o filme “Captive” (Cativo), em parceria com os produtores Ralph Winter ( de "X-Men") e Ken Wales (de "Amazing Grace"). O filme é baseado num sequestro ocorrido em Atlanta/EUA - 2005 e que chocou o mundo quando uma viúva, mãe de uma garota de 6 anos, usando os conhecimentos recém-adquiridos no livro “Uma vida com propósitos”, apresentou para seu assassino e sequestrador o seu real propósito nesta vida.
Brian e Régis / 2011
Tive o imenso prazer de conhecer Brian em um festival de filmes cristão, o Gideon Film Festival. Participei de um workshop de roteiro com ele e, pelo networking proporcionado lá, tive a honra de manter uma boa amizade com ele.
Confira abaixo a entrevista exclusiva de Brian Bird para o CineCristão e saiba em primeira mão sobre “A Confissão”, o filme continuação de “O Segredo”.

Q&A
[RÉGIS] Brian, por quanto tempo você está envolvido na indústria de filme e como você descobriu que seguiria esta carreira?
[BRIAN] Eu tenho trabalhado em Hollywood (filmes e TV) como roteirista/produtor por mais de 25 anos. Meu primeiro trabalho foi em 1984 através de um roteiro que escrevi para um seriado da ABC, “Fantasy Island” (no Brasil, A Ilha da Fantasia), quando eu ainda era muito novo e, desde então, continuei fazendo disso minha vida e meu sustento. Naqueles dias, eu estava trabalhando como jornalista para um jornal no sul da Califórnia, e o tio-avô de minha esposa Patty, Don Ingalls - que já há muito tempo era um roteirista e produtor - me encorajou a escrever meu primeiro roteiro e eu me apaixonei por isso. Escrever histórias fictícias (dar uma de "Deus" com o mundo que eu criei) foi muito mais prazeroso que escrever artigos não-fictícios de jornal, os quais são muito objetivos e simplesmente seguem os fatos. Porém escrever ficção em forma de roteiro abriu meus olhos para um novo mundo de possibilidades em minha pequena mente. E tenho feito isso desde então.

[RÉGIS] Depois de ter iniciado nessa profissão, quanto tempo levou até que finalmente você pudesse fazer dela seu sustento?
[BRIAN] Eu comecei a fazer dinheiro escrevendo desde meu último ano no Ensino Médio (para um jornal local), portanto escrever foi a primeira maneira que aprendi a fazer dinheiro, e o tenho feito minha vida toda. Não sei fazer mais nada, portanto eu continuo aparecendo e tentando fazer o melhor trabalho possível. Mas a questão de ter a profissão como sustento eu diria que é como um fluído. De alguma maneira eu sempre fui capaz de ter o pão e manteiga em minha mesa, mas a quantia mudou um pouco através dos anos. Às vezes mais, às vezes menos. Para aqueles que ainda estão tentando entrar neste mercado de forma competitiva de maneira que possam pagar suas contas com isso, eu sempre os encorajo a não sair de seu trabalho atual até que consigam - durante um ano - substituir seu salário recebendo através de trabalhos para filme e TV. Isso é difícil no sentido de estar mais ativo na busca de seu sonho, no entanto o mais frustrante é não ser capaz de pagar as contas enquanto persegue seus sonhos.

[RÉGIS]  O que você mais gosta em fazer filme e o que você menos gosta?
      [BRIAN] Minhas três partes favoritas são:  1) sentar em frente a meu computador e criar um mundo novo cheio de personagens interessantes em um roteiro; 2) sentar em frente a um monitor no set de filmagens e assistir aquele mundo que eu criei tomando vida em um filme; 3) toda a interação e relacionamentos que são feitos no processo de se fazer um filme.  A coisa que eu mais odeio:  o lado dos "negócios".  Essa é uma parte cínica, debilitante, chata, frustrante, não-funcional e glacial. Chega a ser um milagre que qualquer filme chegue a virar realidade com esse pântano paralizante que é o lado dos negócios na indústria de filmes.
   
[RÉGIS]  Qual seria seu filme favorito e qual foi o filme que te inspirou no início? Tem algum?
[BRIAN] Se você está perguntando do filme favorito dentre os quais eu trabalhei, é muito difícil escolher pois todos são como "filhos" pra mim, e quem é pai sabe que é impossível escolher entre um filho e outro! Eu os amo por razões diferentes. Agora, se você está perguntando qual meu filme favorito entre todos que eu já assisti... Eu te daria 5 nomes, e sem ordem de favoritismo. Eu os amo igualmente, por diferentes razões:  “A Missão”, “Cinema Paradiso”, “A Vida é Bela”, “Campo dos Sonhos”, “A Felicidade Não Se Compra”.  Todos eles me inspiraram em diferentes maneiras, e “A Felicidade Não Se Compra” foi a inspiração original para minha carreira.

[RÉGIS]  Falando agora de suas produções recentes, eu pessoalmente amei o primeiro filme da sequência - O Segredo - e estou empolgado para ver o segundo "A Confissão"! Quanto tempo levou para A Confissão ser produzido e qual foi o orçamento?
[BRIAN] Nós terminamos "A Confissão" em Julho de 2012 com um orçamento de U$2.3milhões (aprox. R$4.6milhões), e todo o processo – do roteiro às telas – levou quase 9 meses. A filmagem em si levou aproximadamente 2 meses. 

[RÉGIS]  Como você se envolveu nesse projeto?
[BRIAN] Meu parceiro de filmes, Michael Landon Jr., já havia trabalhado antes com uma autora best-seller de ficção Amish, Beverly Lewis, no filme "Salvando Sarah Cain”, o qual foi baseado no livro da autora “A Redenção de Sarah Cain.”  Quando nós vendemos a ideia para Hallmark Channel de fazer filmes baseados na série de 3 livros da autora, “A herança do condado de Lancaster”, nós imediatamente começamos a trabalhar no primeiro filme “O Segredo”.

[RÉGIS] Já tem alguma data para começar a produzir o 3º filme? E qual será o nome?
      [BRIAN] O terceiro filme da série será chamado “The Reckoning” (ainda sem tradução original, algo como "Prestando Contas") o qual será baseado no terceiro livro da série de Beverly Lewis.  Ainda não temos uma agenda, mas pretendemos iniciar logo depois da world premiere na Hallmark Channel dia 11 de Maio de 2013. (ps: se você tem acesso a este canal, marque em sua agenda e assista a primeira exibição internacional!)
[RÉGIS] Você tem algum plano de fazer filmes no Brasil? (Por favor, diga-nos que sim! :) )
      [BRIAN] Eu adoraria fazer filme no Brasil. Eu estive nas favelas do Rio há muitos anos atrás para fazer um documentário para a World Vision sobre uns garotos que cheiravam cola e catadores de lixo, mas eu amaria retornar ao Brasil novamente. Alguém, por favor, me convide para produzir seu filme!

[RÉGIS]   Brian, você é um dos poucos filmmakers Cristãos que encontraria seus filmes nas pratileiras de vídeolocadoras no Brasil! Os filmmakers iniciantes o tem como referência! Por favor, deixe uma mensagem de encorajamento para aqueles que estão começando agora!
[BRIAN] Não importa onde nós vivemos ou de onde nós viemos, somos TODOS criados à imagem do Autor do Universo.  É isto o que a Bíblia diz.  Isto significa que TODOS temos uma pequena corda do DNA espiritual de Deus correndo dentro da gente. Não estou dizendo que somos Deus, mas que como detentores da imagem de Deus temos a responsabilidade de perseguir nosso único DNA… seja lá escrevendo, pintando, atuando, esculpindo, arquitetura, música, ou qualquer de outras milhares de carreiras criativas. Temos a responsabilidade para com Deus, conosco e para com o mundo de perseguir esta UMA COISA com todo o esforço possível.  É nossa tarefa tentar ser o Michelangelo  de nosso talento.  Deveríamos sempre lutar por excelência com essa nossa cordinha de DNA não para nossa própria glória ou fama ou fortuna, mas para Deus, nosso criador.  E para abençoar o mundo com beleza. Se cada um de nós focássemos nisso, o mundo seria muito mais celestial.


*Confira também o blog de Brian, com dicas, links de ferramentas grátis, artigos, testemunhos e (por que não?) spoilers! http://brianbird.net/

Entrevista por Régis Terêncio; ator e filmmaker

4 comentários:

Natália Terêncio disse...

Ótima iniciativa Régis! Excelente trabalho e conteúdo!!!

Natália Terêncio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Regis Terencio disse...

Valeu Nati :) comentário de irmã coruja, mas também vale! ;)

Filme Cristão disse...

esse filme "a confissão" tem previsão de chegar aqui no brasil?