segunda-feira, 11 de abril de 2016

Resenha do filme Ressurreição

“Risen” (no Brasil, Ressurreição), é um filme que trata, tal como indicado já no título, do principal dogma do cristianismo, que o difere de todas as demais manifestações religiosas de todos os tempos – a ressurreição de Jesus. O filme retoma o mote de “A investigação”, filme italiano de 1986 com atores americanos (Keith Carradine como um oficial do exército romano chamado Taurus e Harvey Keitel como Pôncio Pilatos), com algumas modificações: no filme de 1986 o próprio imperador romano Tibério ordena que se faça uma investigação para descobrir se os rumores a respeito de um crucificado judeu que teria ressuscitado eram verdadeiros. No filme de 2016 a ordem para a investigação é dada por Pilatos. O final dos dois filmes é bastante diferente (não vou dizer as diferenças para não dar “spoiler”).

“Ressurreição” tem Joseph Fiennes (que já foi Lutero) como Clavius, o tribuno romano encarregado de descobrir se os boatos a respeito da ressurreição eram verdadeiros ou não, Tom Felton (o detestável Draco Malfoy da franquia Harry Potter) como Lucius, o assistente do tribuno, e Cliff Curtis como “Yeshua” (sim, ele é chamado de Yeshua no filme, a forma aramaica de seu nome; a forma “Jesus” é derivada do grego). Curtis é neozelandês de ascendência maori, e em Hollywood, por conta de seu tom de pele morena já foi árabe, colombiano, e agora, um judeu galileu do primeiro século.

Para cumprir a ordem recebida, Clavius e seus comandados partem para revistar todas as casas de Jerusalém, para descobrir discípulos do nazareno recentemente crucificado. Eles levam um susto enorme ao descobrir que o túmulo no qual o corpo fora depositado, estava vazio! O que aconteceu? Na verdade, os romanos começam a descobrir evidências que, por mais estranhas e irracionais que pareçam, sugerem que talvez alguma coisa absolutamente incomum tenha acontecido... Em sua busca por discípulos do crucificado, Clavius interroga Maria Madalena, e ela lhe diz que presenciou acontecimentos que não podem ser explicados. Madalena tenta explicar ao tribuno que ele está procurando de maneira errada, mas o romano simplesmente não entende o que ela lhe diz. Clavius resolve procurar os seguidores de Yeshua sozinho, e Lucius, que assume o comando da investigação, diz a Pilatos que, talvez os boatos sejam verdadeiros. Pilatos, como era de se esperar, não concorda e não acredita.

Clavius por fim tem suas perguntas respondidas de maneira surpreendente. O filme do diretor americano Kevin Reynolds dá ênfase às narrativas da ressurreição do primeiro e do quarto Evangelhos, citando todavia trechos dos outros dois. Não há nenhum relato histórico que os romanos tenham ordenado uma investigação policial desta natureza. Mas não é de todo improvável que tal tenha acontecido. Neste sentido, o filme de 1986 é mais politicamente realista que o de 2016, que por sua vez é mais “catequético”, por assim dizer, que seu “irmão mais velho”, que sem dúvida o inspirou.

O filme toca em uma questão apologética importante: como, contra todas as circunstâncias, históricas, religiosas, culturais, um grupo de judeus pobres da Judeia então província romana do primeiro século, começou a falar de algo que nunca ninguém jamais em qualquer tempo ou lugar tivera coragem de falar? Mais estranho ainda, quem primeiro falou o que era contra todas as evidências foi uma mulher – a Madalena – de má fama (o filme de Reynolds mostra o que teria sido a vida pregressa da Madalena com uma pitada de humor ácido), isto em uma cultura em que o testemunho de uma mulher não tinha valor (tal como acontece até hoje em sociedades islâmicas). Ao redor do anúncio da ressurreição se formou a comunidade dos seguidores de Yeshua. O centro desta mensagem não era aceito por ninguém na época. E nem hoje. Contra tudo e contra todos, aquele grupo, que tinha tudo para dar errado, com uma mensagem que tinha tudo para “morrer no nascedouro”, como se diz, prosperou e cresceu. O assim chamado argumento sociológico para a ressurreição de Yeshua/Jesus é mais forte que seus críticos gostam de admitir1.

O filme foi produzido em locações na Espanha e na ilha de Malta. Os diálogos são bem conduzidos, e a mensagem final, escandalizadora há dois mil anos e hoje, é que “de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos” (1 Coríntios 15.20). Mas tanto há dois mil anos como hoje, a mensagem da ressurreição é matéria de fé. Como disse alguém, para quem crê, nenhuma prova é necessária. Para quem não crê, nenhuma prova é suficiente. O fato é que o túmulo está vazio. E até hoje ninguém conseguiu produzir uma explicação melhor para isto que a dada por aquele grupo de judeus pobres da Judeia dominada pelos romanos há dois mil anos.

Fonte: Ultimato, texto de Carlos R. Caldas Filho

Nenhum comentário: